2. Qual é da sua poética?

Você tem fome de quê? Você tem sede de quê? O que lhe dá prazer? O que lhe incomoda? O que o/a mobiliza a produzir, questionar, transformar? É justamente esse prazer ou incômodo que vai disparar a costura afetiva de conhecimentos, mobilizando competências e construindo novas competências e conhecimentos e gerando produção criativa.

Jogue a aventura solo para descobrir com qual processo poético contemporâneo você se identifica.

Design Poético

É um método projetual que se baseia no processo mimético em três etapas postulado por Paul Ricoeur e a semiologia de Roland Barthes, entendido como atividade de configuração de objetos e de sistemas de informação materializa também os ideais e incoerências da sociedade tanto quanto anuncia novas possibilidades; e como práxis, participa da criação cultural, confirmando ou questionando a cultura. Nosso foco recai sobre a capacidade de denúncia do Design, que se aproxima do que se entende pelo dito “fazer poético”. Atualmente, a poiesis, não é só um “fazer”; é, antes, uma “intenção”, daí seu uso para as formas de expressão artísticas contemporâneas: a intenção de oferecer novas possibilidades de construção de significados pelos sujeitos fruidores, levando a uma refiguração destes sujeitos e de seus contextos.

Esse potencial poético é a “cereja do bolo” do que entendemos como aplicação didática. O ato de projetar mobiliza a articulação de conhecimentos e competências pré-existentes pelos participantes para a produção, favorecendo a construção de novos conhecimentos e competências e o comprometimento de todos com o projeto. Ao modo dos Projetos de Trabalho de Fernando Hernández (1998), professor da Faculdade de Belas Artes de Barcelona, que se refere a “projeto” no mesmo sentido que arquitetos, designers e artistas compreendem o “procedimento de trabalho que diz respeito ao processo de dar forma a uma idéia que está no horizonte, mas que admite modificações, está em diálogo permanente com o contexto, com as circunstâncias e com os indivíduos que, de uma maneira ou outra, vão contribuir para esse processo.” [HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Trad. Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 1998]

Ações

metodoEtapa 1: Projetar a Poética

Começamos pela especificidade da área, uma vez que acreditamos que a inter e a transdisciplinaridade não se fazem sem as disciplinas. Também entendemos que precisamos vivenciar os métodos que queremos que nossos estudantes vivenciem. Nesse momento, portanto, somos todos iguais: coordenadoras, supervisores e licenciandos fazem as mesmas atividades enquanto constroem intimidade com as escolas:

  1. Conceituação: delimitação de questões pessoais, sejam de natureza emocional, social, política, cultural etc, que mobilizem os participantes e que os instiguem a produzir objetos e/ou ações que resolvam ou problematizem tais questões.
  2. Levantamento: leitura e discussão, em seminários, de textos sobre questões gerais da arte contemporânea e de outras áreas, se houver participantes de outros subprojetos, com objetivo de organizar grupos de interesse que possam conectar suas questões pessoais com as questões gerais escolhidas.
  3. Concepção de objetos e/ou ações poéticos individuais ou coletivos a partir das intersecções entre as questões pessoais de cada participante e as questões gerais escolhidas nos grupos de interesse.

Etapa 2: Tornar sua poética a sua didática

Uma vez escolhida a poética de cada um, chega a hora de inserí-la na escola. Nesse momento, algumas hierarquias emergem, pois são os professores supervisores, nas suas expertises, que orientam essa apropriação da especificidade da área para o âmbito pedagógico contextualizado. Se, essa apropriação pode implicar restrições na especificidade da área, que é a poética, ao mesmo tempo vai significar construção de competências de percepção e adaptação das diferentes perspectivas interdisciplinares (epistemológica, prática, fenomenológica) pertinentes aos saberes e fazeres (ciência, profissão, educação), respeitando as metas de cada uma (produção de conhecimento, aplicação de conhecimento, difusão de conhecimento):

  1. Observação de ambiente escolar montessoriano [Montessori Brasil & OMB] da rede particular de Ensino Básico, discussão de textos sobre este modelo pedagógico e análise estética e didática dos materiais, sob orientação das professoras colaboradoras atuantes neste ambiente escolar, objetivando-se identificar possíveis contribuições deste modelo pedagógico e de seus materiais para os espaços escolares conveniados.
  2. Deslocamento dos objetos e/ou ações poéticos dos participantes para os contextos escolares conveniados a partir das observação de campo e da delimitação de situações didáticas, modelos pedagógicos e conteúdos da arte contemporânea, transformando tais objetos e/ou ações em material poético-didático, gerando protótipos funcionais a serem experimentados nas escolas conveniadas.
  3. Elaboração de relatórios escritos individuais de cada participante contendo todo o desenvolvimento dos protótipos e os resultados preliminares de experimentação nas escolas conveniadas, acompanhados de registros fotográficos.

Etapa 3: construir a poética dos estudantes por meio da poética-didática

Agora é a hora de passar a bola para o estudante, de lhe fornecer as agulhas com as quais vai costurar, com suas próprias linhas, os retalhos acadêmicos. A apropriação pedagógica do design poético se dá como didática interdisciplinar com abordagens multidisciplinares que busca promover a apropriação transdisciplinar dos conhecimentos acadêmicos no processo de aprendizagem, uma vez que o estudante é quem os costura partindo de seus interesses e desejos que, em geral, são conhecimentos não acadêmicos:

  1. Deslocamento dos protótipos experimentados para contextos temáticos transversais (sustentabilidade, relações de gênero, questões étnicas, cidadania, inclusão etc), demandando novas conceituações, levantamentos e concepções estéticas e didáticas e novas experimentações nas escolas conveniadas.
  2. Elaboração de relatório e portfolio individual dos participantes incluindo o que foi produzido pelos estudantes a partir dos materiais experimentados nas escolas, bem como as reflexões advindas dos grupos de discussão.
  3. Reescrita dos relatórios e tratamento dos registros fotográficos para adaptação e inserção neste blog de divulgação do subprojeto, pensando-se este blog também como material poético-didático que venha a ser acessado pelos diversos membros das comunidades escolares envolvidas no projeto.